terça-feira, 18 de setembro de 2012

Pesadelo amargo


Eu não compreendia muito bem o que estava acontecendo a minha volta, eu via um lugar que para mim era muito conhecido, o que na verdade é comum nos sonhos que temos, mas sentia uma coisa fria por dentro como se aquele lugar não estivesse me agradando por algum motivo que eu no nomento não me lembrava. Eu me mudava de lugar constantemente e não achava que isso era estranho, algumas coisas estavam muito destorcidas e foi quando eu vi ao fundo de um terreno pessoas cavando covas, eu a princípio tive arrepios mas não achei estranho, eles cavavam as covas e em seguida tentavam fechar aquele local onde o "cemitério" era construído, o que era mais estranho era o número de covas, eu me perdia no horizonte tentando contar quantas haviam.

Quando eu me voltei para um lago completamente sujo e cheio de coisas estranhas dentro eu estava correndo, sabia que estava com medo de alguma coisa mas não sabia o que era, só pensei em correr e correr e o que me restava a frente era esse lago do qual eu não conseguia ver sequer 1 centímetro do que tinha abaixo, e haviam realmente coisas muito estranhas dentro dele e se eu não pulasse dentro desse lago, o que vinha atrás de mim iria me alcançar e foi nisso que a coragem foi mais forte e eu me joguei dentro do lago, ele não estava com um cheiro agradável e eu fui bater direto no fundo, o maior susto foi quando eu percebi que haviam muitas pessoas no fundo e pelo centro desse lago, o que me fez sair dele muito depressa e continuar correndo sem rumo. Enquanto corria eu olhava para o lugar onde as covas eram feitas, muitas já estavam fechadas e outras diversas estavam sendo construídas e não importava o quanto eu andasse aquilo não tinha fim, dei conta de que eu era a única pessoa da qual estava viva ou correndo por aquele caminho, até parei e procurei outras pessoas mas os que cavavam as covas não pareciam ser muito bem pessoas e se fossem não seriam de grande ajuda. A floresta que rodeava o caminho do qual eu corria estava morta, muitas árvores destruídas pelo fogo e algumas pulveridas por algo do qual eu não entendia no momento, eu comecei a pensar no que poderia ter acontecido com tudo e todos, já que tudo parecia destruído e eu quando me dei conta já estava em outro lugar, dessa vez um galpão muito grande, cheio de pessoas fazendo enormes filas e bem no começo dessa fila havia uma espécie de restaurante onde todos esperavam para comer, quando eu olhei pela janela as covas tinham dominado tudo o que era possível de visualizar, estavam construindo paredes em cima delas e novos galpões, o que parecia ser um bom motivo para escondê-las e todas as pessoas que estavam na fila eram muito magras e pareciam não conseguir pensar, pareciam ser movidas apenas pelo desejo de se alimentar e eu vi uma escada onde comecei a subir e em todos os andares desse gigantesco galpão era a mesma coisa, pessoas esperando para comer e quando consegui chegar perto do começo de uma fila, vi pessoas arrumadas sorrindo, servindo um tipo de sopa para todos que estavam na fila e quando alguém reclamava de alguma coisa eles simplesmente apertavam alguns botões e a pessoa parecia perder a conciência, porém eu me mantinha ali conciente e isso ficou evidente muito rápido, quando começaram a me perseguir novamente eu caí dentro de uma cova e acordei.

Eis um dos sonhos mais longos e mais pesados que já tive em minha vida, logo um horrível pesadelo.


Nenhum comentário: